Vida dos Santos

Calendário de Eventos

Mês anterior Dia anterior Dia seguinte Próximo mês
Ver por ano Ver por mês Ver por semana Ver hoje Pesquisar Ir para o mês

B. Maria da Paixão

Quarta-feira, 15 Novembro 2017por Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.Visualizações : 75

15 11 Beata Maria da Paixão

A Beata Maria da Paixão nasceu no dia 21 de Maio de 1839, em Nantes (França) e faleceu a 15 de Novembro de 1904 em San Remo (Itália). A Beata Maria da Paixão nasceu no seio duma família católica da pequena aristocracia da Bretanha e foi baptizada com o nome Hélène Marie Philippine de Chappotin de Neuville.

Desde pequena que a Beata Maria da Paixão manifesta eminentes dons naturais e uma fé profunda. Em abril de 1856, num exercício espiritual, teve uma primeira experiência de Deus que a chama para uma vida de consagração total. Por obediência à mãe retardou a realização da sua vocação até 1860, ano em que a sua mãe falece inesperadamente.

Entrou como postulante num convento de Clarissas em Nantes, com o consentimento do Bispo local.

Em 23 de janeiro de 1861, ainda postulante, Deus a convida a oferecer-se como vítima pela Igreja e pelo Papa. Esta experiência marcará toda sua vida. Embora profundamente influenciada pelo espírito franciscano, foi obrigada a regressar a casa devido a uma grave doença que a afetou.Após a recuperação da saúde preferiu optar por uma congregação de vida ativa, ingressando na Sociedade de Maria Reparadora, na qual a 15 de agosto de 1864, em Toulouse, começou o seu noviciado adotando então o nome religioso de Maria da Paixão.

Em 1865, ainda noviça, foi enviada como missionária para a Índia, passando a trabalhar no Vicariato Apostólico de Maduré, onde as Reparadoras têm a tarefa principal de formar religiosas de uma congregação autóctone e outras atividades apostólicas. O vicariato era então confiado à direção da Companhia de Jesus. No dia 3 de Maio de 1866, Maria da Paixão pronuncia os votos. Em 1867, com 28 anos de idade, por seus dons e virtudes foi eleita superiora local e em Julho do mesmo ano provincial de três conventos das Reparadoras.

Em 1874, com um grupo de irmãs, fundou uma casa em Ootacamund, no Vicariato Apostólico de Coimbatore, assistida pelos padres da Sociedade para as Missões Estrangeiras de Paris. Mas em Maduré as divergências agravam-se até o ponto de vinte religiosas, entre elas a Irmã Maria da Paixão, se virem obrigadas, em 1876, a deixar a Sociedade de Maria Reparadora. As irmãs acabaram por se reunir em Ootacamund sob a jurisdição do Vigário Apostólico de Coimbatore, Mons. José Bardou, M.E.P.

Em Novembro de 1876, a Beata Maria da Paixão dirige-se a Roma para regularizar a situação das vinte irmãs separadas. O Beato Pio IX regularizou a situação das religiosas, permitindo que a Irmã Maria da Paixão fundasse uma nova congregação especificamente destinada às missões, com a designação de Instituto das Franciscanas Missionárias de Maria. Para esta nova congregação, por sugestão da Congregação de Propaganda Fide, foi fundado um noviciado em Saint-Brieuc, na Bretanha, que rapidamente acolheu numerosas vocações.

Em Abril de 1880 e em Junho de 1882, Irmã Maria da Paixão regressou a Roma para resolver as dificuldades que ameaçavam obstaculizar a estabilidade e o crescimento do jovem Instituto. A última viagem (Junho de 1882) marca uma etapa importante em sua vida: ela foi autorizada a fundar uma casa em Roma, e por circunstâncias providenciais encontra a orientação franciscana indicada por Deus vinte e dois anos antes.

Em 4 de outubro de 1882, na Igreja de Aracoeli, é recebida na Ordem Terceira de São Francisco e entra em contato com o Servo de Deus Padre Bernardino de Portogruaro, Ministro Geral da Ordem dos Frades Menores, que a apoia em suas provas com paternal solicitude.

Em Março de 1883, no meio de forte controvérsia interna, Madre Maria da Paixão foi destituída das suas funções de superiora do Instituto, mas, na sequência de um inquérito ordenado pelo papa Leão XIII, a sua inocência foi plenamente reconhecida e ela foi reeleita no capítulo de Julho de 1884.

O Instituto inicia o seu rápido desenvolvimento: em 12 de Agosto de 1885 emitem o Decreto laudatório e o de filiação à Ordem dos Irmãos Menores; as Constituições são aprovadas ad experimentum em 17 de Julho de 1890 e definitivamente em 11 de Maio de 1896. É o momento de envio de missionárias, inclusive aos pontos mais distantes e perigosos. O zelo missionário da fundadora não conhece limites para responder aos chamados dos pobres e abandonados. Também a promoção da mulher e a situação social lhe interessam particularmente; com inteligência e discrição oferece aos pioneiros que trabalham neste campo uma colaboração que eles muito apreciam.

A sua atividade intensa e o seu dinamismo brotam da contemplação dos grandes mistérios da Fé. Para a Beata Maria da Paixão tudo conflui na Unidade-Trinidade de Deus Verdade-Amor, que se dá a nós através da Eucaristia. Unida a estes mistérios vive a sua vocação missionária. Jesus Eucaristia é para ela “o Grande Missionário” e Maria, na disponibilidade de seu “Ecce”, traça o caminho da doação sem reserva à obra de Deus. Deste modo abre os horizontes da missão universal de seu Instituto no espírito evangélico de humildade, pobreza e caridade de São Francisco de Assis.

Dotada de uma extraordinária capacidade de trabalho, encontra tempo para redigir numerosos escritos para formação de suas religiosas e para manter uma frequente correspondência com suas missionárias espalhadas pelo mundo, exortando-as com insistência a uma vida de santidade.

Em 1900, o Instituto recebe o selo de sangue com o martírio de sete Franciscanas Missionárias de Maria na China, beatificadas em 1946 e canonizadas no transcurso do Grande Jubileu de 2000. Este martírio foi para Madre Maria da Paixão, junto com uma grande dor, uma imensa alegria, uma emoção intensa de ser a mãe espiritual destas missionárias que souberam viver o ideal de sua vocação até a efusão do sangue.

Esgotada pelas fatigas de viagens incessantes e pelo trabalho quotidiano, a Beata Maria da Paixão, faleceu serenamente em San Remo.

Foi declarada venerável a 28 de Junho de 1999 pelo Papa João Paulo II e beatificada também por João Paulo II a 20 de Outubro de 2002.

 

Voltar

Autenticação

Registar

*
*
*
*
*
*

Fields marked with an asterisk (*) are required.

Próximos Eventos

Não foram encontrados eventos

Horário de visitas da Igreja de S. Lourenço

Pode visitar a Igreja de S. Lourenço nos seguintes horários

 

De 15 de Abril a 15 de Outubro (Horário de Verão)

 Segunda-feira: 15h00 - 18h00

Terça-feira a Sábado: 10h00 - 13h00 e 15h00 - 18h00

 

De 16 de Outubro a 14 de Abril (Horário de Inverno)

Segunda-feira: 15h00 - 17h00

Terça-feira a Sábado: 10h00 - 13h00 e 15h00 - 17h00

 

 Ao Domingo encontra-se encerrada para visitas.

Entradas pagas

Onde Estamos